Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social

Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, Cultura, Turismo, Esportes e Lazer

Secretária:


Doroti de Fátima Zem Lopes

Funcionária da prefeitura municipal por cinco anos, exercendo vários cargos. Também atuou na esfera pública federal por quase 35 anos, período em que exerceu a função de gerente de agencia e banco postal.

Endereço: Av. 5 nº 408, Centro – CEP: 13537-000
E-mail: fundosocialip@gmail.com
Telefone: (19) 3537.1070
Horário de atendimento ao público: das 8h às 11h30 e das 13h às 17h30

Atribuições:

Temos por objetivo a implementação da política de assistência social do município, voltada ao atendimento dos interesses sociais e aspirações da população em situação de risco social. A pasta atua também para a construção de um ambiente de valorização e promoção do Turismo, da Cultura, do Esporte e do Lazer.

Unidades Administrativas:

  • Centro de Referência de Assistência Social (CRAS)
  • Casa Lar
  • Banda Musical
  • Biblioteca Municipal
  • COMTUR
  • Escola Livre de Música
  • Museu Municipal
  • Parque Ecológico “Henrique Barbeta” (Salto do Nhô Tó)

Banda Musical Municipal de Ipeúna (BMMI)

A Banda Musical Municipal de Ipeúna (BMMI), um dos mais antigos projetos culturais do município, foi criada em 1997, com o objetivo de promover, dirigir, incentivar e fomentar a cultura musical entre jovens e adolescentes. Contando com o apoio da Prefeitura do Município, a Banda foi se desenvolvendo e, no período entre 2000 e 2004, tornou-se referência no circuito estadual de bandas musicais, conquistando títulos em campeonatos regionais e projetando o município culturalmente.

Mas, nem sempre foi assim. Em setembro de 1991, um grupo de crianças, com o auxílio da Prefeitura, começou a fazer aulas de flauta doce na cidade vizinha de Charqueada, com a professora Benedicta Morato Gomes. A única intenção dessas crianças era aprender música, sem imaginar que formariam uma Banda.

Anos mais tarde, espelhados na Banda de Charqueada, também dirigida pela professora Benedicta, até então a única responsável pelo movimento musical da região de Ipeúna/Charqueada, nascia nos alunos a vontade de estudar outros instrumentos além da flauta doce, dando assim início a formação de uma banda no município de Ipeúna.

Com a iniciativa dos próprios alunos, juntamente com o auxílio de seus pais, cada um comprou o seu instrumento e, sempre contando com o apoio da Prefeitura de Ipeúna, mantiveram as aulas em Charqueada, aperfeiçoando-se cada vez mais.

Sensibilizado com o trabalho e com o esforço de cada um dos músicos, o prefeito Ildebran Prata resolveu municipalizar a Banda, que não tinha nenhum vínculo ou subsídios de terceiros. Através do Decreto nº 1577, de 1º de agosto de 1997, foi criada a Banda Musical Municipal de Ipeúna. Desde então, a BMMI é coordenada e mantida pela Prefeitura Municipal.

A iniciativa foi acompanhada da contratação de um profissional para estar à frente da Banda. Contando com a experiência do maestro João José Leite, a Banda começa a apresentar-se nos mais variados eventos, na cidade de Ipeúna e a convite em outras cidades da região, além de participar de festivais e encontros de nível estadual. O grupo cresceu, a BMMI criou sua identidade própria, formando músicos que hoje tocam nas melhores orquestras do Estado e do Brasil, além de ter em seu currículo diversas premiações:

CNBF – Confederação Nacional de Bandas e Fanfarras

  • X Campeonato Estadual de Bandas e Fanfarras

2º LUGAR (Itapira, 1998)

  • VI Campeonato Nacional de Bandas e Fanfarras

2º LUGAR (Guaratinguetá, 1998)

  • 2º Concurso Paulista de Bandas e Fanfarras

2º LUGAR (Ribeirão Preto)

  • 4º Campeonato Paulista de Fanfarras e Bandas

2º LUGAR (Campo Limpo Paulista)

  • Campeonato Estadual de Bandas e Fanfarras

2º LUGAR (2001)

FFABESP – Federação das Fanfarras e Bandas do Estado de São Paulo

  • 1º Campeonato Paulista de

Biblioteca Pública Municipal de Ipeúna

A Biblioteca Pública Municipal de Ipeúna foi criada pela Lei nº 121, de 06 de outubro de 1972. Atualmente ela possui o acervo de mais de três mil títulos, entre livros, CDs e DVDs. A Biblioteca conta ainda com obras literárias impressas e em áudio (MP3), destinadas aos portadores de deficiências visuais.

A utilização do acervo é gratuita. Quem ainda não é usuário da Biblioteca Municipal e quiser se cadastrar deve comparecer à Biblioteca Municipal, portando documento de identidade e comprovante de endereço.

Serviço:

Endereço: na Avenida 5 nº 408, no Centro

Telefone: (19) 3576.1188

Horário de Funcionamento: de segunda a sexta das 8h as 11h30 e das 13h as 17h30.

Centro de Referência de Assistência Social – CRAS Ipeúna

Criado em 2013, com o objetivo de prevenir situações de risco por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições e o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Ipeúna atende cerca de 700 pessoas em situação de vulnerabilidade social, com o desenvolvimento de serviços, programas e projetos locais de acolhimento, convivência e socialização de famílias e fortalecimento de vínculos. O CRAS também atua na promoção de ganhos sociais e o acesso a benefícios, programas de transferência de renda e direitos socioassistenciais.

Projeto de Fortalecimento de Vínculos, Melhor Idade, Transformando o Futuro, Oficina de Pintura em Tela, Cores da Vida, são algumas das atividades oferecidas pelo equipamento. O CRAS também realiza o cadastro único para programas de transferência de renda e benefícios, como: Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), Viva Leite, Ação Jovem, Renda Cidadã, entre outros atendimentos emergenciais de acolhimento, escuta e orientação; monitoramento de prestação de penas alternativas, visitas domiciliares. É por meio do CRAS que as famílias em situação de vulnerabilidade social passam a ter acesso a serviços e ações que visam a prevenção da ruptura dos vínculos familiares e comunitários.

Escola Municipal Livre de Música

Tocar algum instrumento é o sonho de muita gente. Em Ipeúna está mais fácil realizar esse sonho através da Escola Municipal Livre de Música de Ipeúna. São oferecidas gratuitamente aulas de flauta doce, flauta transversal, clarinete, saxofone, trompete, trompa, trombone, bombardino, tuba, teclado e bateria/percussão.

Para incentivar a formação de novos músicos, a Prefeitura investe na aquisição de instrumentos musicais, que ficam à disposição dos alunos na Escola, por isso, não é necessário ter instrumento próprio.

Serviço: Escola Municipal Livre de Música

Endereço: Avenida 5 nº 458

Horário de Atendimento: das 9h às 11h e das 14h às 16h

Museu conta a história de Ipeúna

Um dos locais mais visitados dos municípios quando se trata de cultura é o Museu Municipal de Ipeúna, uma instituição permanente sem fins lucrativos, a serviço da comunidade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e que resgata, preserva e expõe os testemunhos materiais do homem e de seu entorno, para a educação e deleite da sociedade.

O projeto nasceu na administração do prefeito Ildebran Prata, que como conhecedor nato da cidade e portador de inúmeras peças cedeu-as para a montagem do mesmo, assim como outros moradores. O Museu reúne ainda, fragmentos encontrados durante escavações arqueológicas.

Painéis, fotos, móveis antigos, peças de porcelana, cristais, rádios entre outros artefatos de época, expostos no Museu Municipal contam a história de Ipeúna, desde o início do povoado até os dias atuais, sempre fazendo alusão às famílias que hoje formam Ipeúna, com um rico e diversificado acervo à disposição da população.

Serviço: Museu Municipal

Endereço: Rua 1 nº 345, Centro

Horário de Funcionamento: das 8h às 11h30 e das 13h às 17h30, de segunda a sexta-feira

Entrada: gratuita

Fundo Social retoma oficinas gratuitas

A Prefeitura de Ipeúna, por meio do Fundo Social de Solidariedade (FSS), disponibiliza gratuitamente as oficinas de Pintura em Tela e Caixas em Madeira. O objetivo é desenvolver e incentivar as habilidades artesanais, além de ser uma opção de geração de renda.

Os cursos são gratuitos e as inscrições são permanentes, ou seja, podem ser feitas a qualquer momento, no Núcleo de Promoção Social, conforme a disponibilidade de vagas e horários. A oficina de Pintura em Tela acontece às quartas-feiras, das 8h às 15h. Já a de Caixas em Madeira é realizada às quintas-feiras, das 13h às 20h.

Podem participar das oficinas maiores de 14 anos. Mais informações podem ser solicitadas diariamente no Núcleo de Promoção Social, onde está localizado o FSS.

Parque Ecológico “Henrique Barbeta”

O Salto do Nhô Tó sempre foi uma referência para a população do município de Ipeúna, desde sua formação, não apenas por suas belezas naturais, mas porque numa época em que não havia água encanada nas casas, a água vinha dos poços localizados no fundo dos quintais; nos períodos de seca, a principal alternativa para o banho dos homens era o Salto do Nhô Tó, localizado no Parque Ecológico “Henrique Barbeta”.

A área do Salto pertencia inicialmente ao sr. Antonio Gonçalves da Silva, conhecido como Nhô Tó (daí origina-se o nome da queda d’água). A área foi herdada por sua filha Matilde, casada com Henrique Barbeta. Por ocasião da implantação de guias e sarjetas na rua em que residia, ao receber a cobrança pelos serviços prestados pela Prefeitura, Henrique Barbeta propôs como forma de pagamento a troca dos serviços pela área ao redor do Salto. O negócio foi aceito pelo, então prefeito Moacir Bueno, primeiro prefeito de Ipeúna, e lavrada a escritura.

A área não tinha nenhuma benfeitoria, apenas um vasto pasto e a queda d’água e permaneceu assim por muito tempo, sendo utilizada para pastagem. Somente em 1997, o cenário começou a mudar, quando o prefeito à época Ildebran Prata adquiriu a área que hoje abriga a entrada do Parque, elevando a área inicial de 1 alqueire para uma área total de 2,5 alqueires. No mesmo período, foram feitas as primeiras melhorias, como terraplanagem, implantação das passagens de água, os córregos, as pontes e escadas, portal de entrada, playground e muramento. Entre os anos de 1999 e 2000, foram plantadas muitas árvores, entre elas ipê, pau-brasil, além de espécies frutíferas como coqueiros, jabuticabeiras, goiabeiras, que hoje atraem além de pássaros, quatis e macaquinhos.

O Parque Ecológico foi inaugurado em março de 2000 e recebeu o nome de Henrique Barbeta em alusão ao antigo proprietário. Desde então, o Parque recebe centenas de moradores da cidade e turistas que buscam em Ipeúna a tranquilidade de um lugar que sabe preservar os recursos naturais existentes. O local oferece ainda quiosque para churrasco, sanitários, local coberto para eventos, uma pequena praia de areia branca, uma represa para pesca e ainda um vasto gramado para a prática de esportes coletivos, ideal para quem quer passar horas agradáveis na companhia de familiares e de amigos.

Em 2014, o Parque Ecológico ganhou um monjolo artesanal em tamanho que trouxe para o Parque um clima de nostalgia ao mesmo tempo em que resgata uma tradição do início do povoado que deu origem ao município de Ipeúna, época em que o artefato era muito utilizado para o beneficiamento do arroz. O monjolo, uma das máquinas hidráulicas mais simples inventadas pelo homem, é um engenho primitivo, movido à água e destinado a socar e moer grãos. A força da queda d’água o impulsiona como se fosse uma gangorra. De um lado, uma concha recebe a água até se encher totalmente. Isso faz com que a outra parte do monjolo, onde há uma estaca, se levante. Ao esvaziar a cuba, o movimento se inverte. E nesse sobe-e-desce, o grão vai sendo socado e moído dentro de um pilão.

A peça foi construída em madeira de eucalipto lima por um artesão mineiro. O piso foi feito por funcionários da Prefeitura de Ipeúna, com pedras brutas retiradas de um antigo terreirão de café existente na Fazenda Santo Antonio do Rochedo, localizado na zona rural. A peça artesanal é somente para apreciação dos visitantes, mas funciona de verdade. A água utilizada no funcionamento do monjolo é retirada, por uma bomba, do lago existente no Salto, para onde retorna, não havendo desperdício.

Além disso, em 2011, entrou em funcionamento um poço artesiano, perfurado no Parque Ecológico e construído em parceria entre o município e o governo do Estado de São Paulo. O poço, interligado com o reservatório elevado da Praça Moacir Bueno, tem vazão de até 26,5 mil litros de água por hora e elevou em cerca de 20% o abastecimento de água no município.